In Cotidiano Gabriel Coutinho Leonardo Carvalho

Uma crítica a partir de nós


Há algo muito errado em nossa sociedade. Estamos sempre armados e carregados de preconceitos e opiniões extremistas à assuntos que dependem de reflexão e ponderação. Não conhecemos e não queremos de modo algum sair de nossa ignorância. É mais fácil proferir o julgamento. Muitos assuntos tidos como “polêmicos” invadiram a mídia recentemente e tomaram as capas de revistas, estamparam jornais, reportagens especiais na internet e televisão e ainda assim, as pessoas cortejam a omissão. Bem mais que isso, parecem ter prazer em permanecerem inertes à assuntos que devem e precisam ser discutidos de maneira sensata.

Já os que querem falar, nem sempre pensam em suas palavras e acabam generalizando e nem sequer se aproximam do âmago das questões. A influência negativa que esses tem disseminado em nada difere da preconcepção equivocada da sociedade. É um reflexo irresponsável, enquanto nosso país padece pela falta de referências que apontem um caminho melhor e auxiliem na formação de uma sociedade madura.

Infelizmente a maior parte de nossa sociedade se contenta com uma resposta simples para questões complexas, sem ao menos colocar em debate os pontos obscuros e ainda inconclusivos, querendo respostas prontas sem ao menos ouvir os demais pontos de vista, principalmente àqueles que expressam opiniões contrárias ao nosso convencimento.

Naturalmente que assuntos polêmicos assim não podem ser respondidos com um redondo "sim ou não", ou mesmo com "está certo ou errado”, ou uma razão qualquer que seja evidente e inequívoca para todos. Temos que ir por aproximações sucessivas, ou seja, por respostas diferentes à mesma questão, colocar os temas polêmicos em debate e não nos conformar com as respostas prontas. Daí acredito que venha a expressão ” transformai-vos pela renovação da vossa mente”, seno necessário debate, e afastar toda omissão e toda resposta simplista para questões complexas, pensar e pensar novamente, pois ninguém pensará por nós.

Não há respostas simples para questões complexas, e não haverá política justa, que contribua para acabar com preconceitos, estigmas e marginalização, sem nos abrirmos para o debate com as diversas posições presentes na sociedade como um todo.  




Por Leonardo Carvalho & Gabriel Coutinho

Related Articles