Jon Foreman responde

sexta-feira, 13 de março de 2015


O vocalista Jon Foreman foi perguntado se Switchfoot é uma banda “cristã”. Sua resposta vale a pena ponderar:

“Para ser honesto , esta questão me entristece, porque sinto que ela representa um problema muito maior do que simplesmente algumas músicas do Switchfoot. Na verdadeira forma socrática, deixe-me lhe fazer algumas perguntas: Lewis ou Tolkien mencionam Cristo em qualquer de suas séries de ficção? As sonatas de Bach são cristãs? O que é mais semelhante a Cristo, alimentar os pobres, fabricar móveis, limpar banheiros ou pintar um pôr do sol? Há um cisma entre o sagrado e o secular em todas as nossas mentes modernas.

A visão de que um pastor é mais “cristão” do que um treinador de um time de voleibol feminino é falha e herética. A posição que um líder de adoração é mais espiritual do que um zelador é condescendente e falha. Essas vocações e propósitos diferentes demonstram ainda mais a soberania de Deus.

Muitas canções são dignas de serem escritas. Switchfoot escreverá algumas; Keith Green, Bach e talvez você mesmo tenha escrito outras. Algumas dessas canções são sobre redenção, outras sobre o nascer do sol, outras sobre nada em particular: escritas pela simples alegria da música.

Nenhuma dessas músicas nasceu de novo, e nesse sentido, não existe tal coisa como música cristã. Não. Cristo não veio morrer por minhas músicas, ele veio por mim. Sim. Minhas músicas são uma parte da minha vida. Mas, julgando pelas Escrituras, só posso concluir que o nosso Deus está muito mais interessado em como eu trato os pobres, os quebrantados e os famintos, do que com os pronomes pessoais que eu uso quando eu canto. Eu sou um crente. Muitas dessas músicas falam sobre essa crença. A obrigação de dizer isso ou fazer aquilo não soa como a gloriosa liberdade que Cristo morreu para me dar.

No entanto, eu tenho uma obrigação, uma dívida que não pode ser quitada por minhas decisões líricas. Minha vida será julgada por minha obediência, e não por minha capacidade de limitar as minhas letras nessa ou naquela caixa.

Todos temos vocações diferentes; Switchfoot está tentando obedecer ao que fomos chamados. Não estamos tentando ser Audio Adrenaline ou U2 ou POD ou Bach; estamos tentando ser Switchfoot. Uma canção que tem as palavras “Jesus Cristo” não é nem mais nem menos “cristã” do que uma instrumental (já ouvi muita gente dizer “Jesus Cristo” e não estavam falando sobre o seu redentor). Jesus não morreu por nenhuma de minhas músicas. Portanto, não há hierarquia de vida ou músicas ou ocupação, só há obediência. Temos um chamado para tomar a nossa cruz e seguir. Podemos ter certeza de que essas estradas serão diferentes para todos nós. Assim como você tem um corpo e cada parte tem uma função diferente, assim também, em Cristo nós, que somos muitos, formamos um só corpo e cada um de nós pertencemos uns aos outros. Por favor, seja lento em julgar “irmãos” que têm um chamado diferente.”

50 tons de cinza

segunda-feira, 9 de março de 2015


De fato, nossas “cinzas” têm muitos tons. Esse pó que se levanta e nubla o mundo. Símbolo de uma angústia gemidora que se dispersa por toda a realidade. Desafortunadamente, tão típica desse território do infeliz homem que se basta.
Mesmo lá no sexo – território tão divino, vivaz, rico, íntimo e gentil em seu poder. Até aí, as cinzas são violência desumanizadora. Tal película de cinzas cobre ruínas daquilo que já foi Éden. Caem como nuvem de corrupção no humano que se desfaz em solidão faminta.
Quando foi que nos tornamos predadores de vida alheia para alimentar nossos gostos bizarros?
Não há esperança para o homem, no homem. Somos, sem o Criador, cacos. Somos “Des-criação”. No fundo, não somos. O que nos sobra são cinzas. Em seus diversos tons. Formas diferentes de experimentar-se como cadáver.
Talvez foi por isso que doeu-se o poeta inglês T. S. Eliot:
“Nós somos os homens ocos
Os homens empalhados
Uns nos outros amparados
O elmo cheio de nada. Ai de nós!”

Concordo com ele, contudo desejo concluir este inquietante texto, em outro tom. Para tal, uso-me do profeta — porque não também chamá-lo de poeta? — que descreve o anseio divino:
“… ordenar a cerca dos que choram em Sião que se lhes dê uma grinalda em vez de cinzas…” (Is 61.3).
Assim exultamos. Nosso Criador, em seus múltiplos tons de cor, nossa vida é.

__________
David Riker é formado em Arte-Educação (UFPA), em Teologia (STEBNA) e graduando em Filosofia (UNIASSELVI). Pastor auxiliar da Igreja Batista da Amazônia, em Belém (PA) e diretor do Ministério “Sexualidade e Restauração”.

Sal, Luz e Fermento

segunda-feira, 2 de março de 2015


Há quem acredite que o mundo “se encherá do conhecimento da glória do Senhor” quando todas as pessoas se tornarem religiosas, e quando a religião ocupar cada espaço da vida.
Dessa compreensão surge um tipo de Cristianismo, baseado em
. lugares sagrados
. objetos sagrados
. dias sagrados
. atividades sagradas
. pessoas sagradas
. discursos sagrados

e a irritante necessidade de pronunciar o nome de Deus em relação a tudo, como também e principalmente de ordenar a vida a partir de dogmas, ritos, e tabus.

Nesse tipo de Cristianismo, o espaço religioso é delimitado, separado do espaço secular, o que parece razoável. O problema é que confunde-se espaço religioso com espaço sagrado – onde tudo é bom e aprovado por Deus, e espaço secular com espaço profano e tenebroso, onde tudo é mal e inspirado pelo diabo.
Outro problema é que esse tipo de Cristianismo transforma a experiência do sagrado em espetáculo, dando ao Espírito Santo dia, hora, local, atores e script para se manifestar. E não faltam espertalhões e abusadores para se locupletarem desse tipo de vivência religiosa.
Mas a Bíblia Sagrada aponta para um tempo quando os seus filhos seriam “uma carta de Cristo, escrita não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de corações humanos”. Nesse dia, Deus não seria mais adorado em ritos e templos, mas no coração, em espírito e em verdade.
Dessa compreensão surge outro tipo de Cristianismo, baseado na identificação com o Cristo morto e ressurreto, e sua dinâmica irreprimível e irreversível: homens e mulheres que morrem com Cristo e ressuscitam com ele ininterruptamente, de modo que a própria presença gloriosa de Deus vai ganhando espaço no mundo independentemente dos limites estabelecidos pelas categorias religiosas, numa divina kenósis que não tem fim, e a partir da qual Deus se mistura na terra como o sal, ilumina o mundo desde o monte onde suas cidades estão edificadas, e aos poucos leveda toda a massa.
Jamais passou pela cabeça de Jesus de Nazaré um mundo impregnado de religião, onde os símbolos do sagrado – meios – fossem confundidos e tomados como fins. Jesus falava de sal, luz e fermento, realidades que afetam o ambiente onde estão imiscuídas sem contudo chamar a atenção para si mesmas. Ninguém come bolo de fermento. Para aproveitar o dia ensolarado é tolice ficar olhando para o sol. E a comida salgada é intragável. O fermento faz crescer a massa com chocolate, o sol ilumina o dia para quem deseja a vida, e o sal realça o sabor dos alimentos. As metáforas são óbvias: a espiritualidade cristã é supra religiosa, pois uma vez esvaziado e encarnado no seu Cristo, Deus extrapola os limites do culto-clero-domingo-templo e ganha as ruas. Na cruz de Cristo e sua ressurreição, o véu do templo se rasga e a glória de Deus vaza para a vida, deixando para traz as estreitas bitolas das estruturas religiosas.

Desde então, como bem disse meu amigo Paulo Brabo, “Deus não quer servos oficiais como sacerdotes e levitas, quer somente amigos como o bom samaritano”.

__________
Ed René Kivitz graduado em Teologia pela Faculdade Teológica Batista de São Paulo, mestre em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo; pastor presidente da Igreja Batista de Água Branca, em São Paulo; autor de Quebrando paradigmas (Abba Press), Vivendo com propósitos, Outra Espiritualidade e O livro mais mal humorado da Bíblia (Mundo Cristão); idealizador do Fórum Cristão de Profissionais.
CopyRight © | Theme Designed By Hello Manhattan